Foto: Geek. Foi jogado na friendzone!

Uma vez conversando com um conhecido, chegamos ao assunto paqueras. Ele começou a me contar como ele fazia para se aproximar das mulheres e “conquistá-las”. As suas táticas eram praticamente infalíveis, que ele podia até escrever um manual de conquista para os homens. Porém, uma possível situação sempre o deixava alerta: quando a menina passava a vê-lo como amigo e “nada mais” acontecia. Isso era terrível. Inadmissível. O conselho que ele dava aos seus amigos era “nunca deixe chegar a esse ponto”. Ele não me falou o nome dessa tal “abominável” situação, mas ela é conhecida como friendzone.

A friendzone existe para homens que abominam qualquer relacionamento com uma mulher que não envolva sexo. Eles não conseguem enxergar uma mulher como alguém para desenvolver uma amizade e, bem, “parar por ali”. Por isso, toda a aproximação que eles fazem, parecendo se preocupar, ser um ombro amigo, alguém que está sempre por perto, tem a única finalidade de conseguir um relacionamento sexual. Tudo que esse homem faz é, dessa forma, minimamente e friamente calculado, e depois de todo esforço, é inaceitável que a mulher queira, de fato, cultivar sua amizade! Pra eles, isso é ser jogado na tal friendzone, é um sinônimo de fracasso, e, como nada era verdadeiro, ele logo dá um jeito de desaparecer – claro, com muita raiva e muita revolta dentro de si!

Pelas minhas próprias experiências e também ao observar os casos das vidas alheias, eu cheguei à conclusão de que é impossível cultivar um namoro ou um casamento bacana sem que haja entre o casal companheirismo, cumplicidade, empatia, parceria, sintonia… O que são, basicamente, elementos que compõem a AMIZADE. Se um cara abomina ser jogado à friendzone, que é exatamente quando ele desenvolve uma amizade sincera com uma mulher, o que significa então um namoro para esse sujeito? Um relacionamento superficial, baseado apenas no sexo?

Homens que tem medo de friendzone são, a meu ver, definitivamente perigosos. Se eles não conseguem ter uma amizade com uma mulher da mesma forma que mantém com diversos cabras-machos, eu penso que ele não nos enxerga estando em mesmo “patamar”. Esse tipo é aquele mesmo que tende a objetificar a mulher, a inferiorizá-la e a enxergá-la apenas para sua satisfação sexual.

O pior é a raivinha que eles ficam daquela que não correspondeu às suas expectativas e o jogou para escanteio. E a sociedade tende a ter pena desses homens, que foram “desumanamente jogados na friendzone” por uma mulher fria e sem coração, que não reconheceu o tanto que ele era legal, feito para ela! (lembra um pouco o príncipe encantado…).

Porém, esquecem-se de refletir e pensar que, esses tais, que, além de não sabem lidar com rejeição, na verdade creem que a mulher existe apenas para satisfazê-lo e que, após suas investidas, ela deve, necessariamente, corresponder às suas expectativas. Eles não compreendem que essa mulher, à qual ele nutria as tais segundas intenções, é um ser humano, que pode querer o mesmo que ele ou não, que tem suas próprias escolhas, seus próprios sentimentos, suas próprias vontades, seus próprios desejos. E que, desenvolver uma amizade sincera com uma mulher não pode ser algo evitável – é, na verdade, o primeiro passo para um relacionamento mais íntimo, maduro e sólido entre duas pessoas.

Anúncios