Foto: D+ Vegan Food

Sobre lâminas de barbear descartáveis e depilação sustentável

Por muitos anos, a principal forma de me depilar foi por meio do uso de lâminas descartáveis. Mesmo sem ter uma maior consciência ambiental, alguma coisa me dizia que não era certo utilizar a lâmina uma vez e depois jogá-la fora. Assim, eu as utilizava até quando começavam a me cortar, e só assim as descartava.  

Mas fazia tudo errado! Jogava no lixo comum, com a lâmina exposta, o que podia causar ferimentos em quem manuseia os resíduos. Da mesma forma, esse lixo poderia parar em qualquer lugar, machucar e até matar animais. Os cabos de plásticos não são reciclados e demoram séculos para se decomporem.

Ademais, as lâminas podem causar muitos problemas na nossa pele: cortes, coceiras, irritação, pelos encravados, foliculite… É uma depilação que dura pouco tempo, nada eficiente. E por fim, na maioria das vezes, a glicerina que é colocada nas lâminas, para que deslizem melhor, é derivada de animais.

Apesar de a depilação por cera (que eu sempre o-d-i-e-i rsrsrs) durar mais tempo, ela tampouco é sustentável: a cera é feita de derivados de petróleo, que são bioacumulativos. Os papeizinhos não são recicláveis.

Para amenizarmos todo esse impacto ambiental, existem opções mais sustentáveis, mais duradouras e menos dolorosas.

Para quem gosta mesmo das lâminas, pode voltar aos velhos tempos e comprar a de cabo de metal reutilizável. Nesse modelo, somente as lâminas de metal precisam ser trocadas, e elas podem ser recicladas. Eu até tentei usá-las, mas não me adaptei – tem que ter cuidado, pois são muito afiadas, e devem ser trocadas com frequência.

Por isso, há uns 2 anos, passei a usar as máquinas de depilação. Comprei um modelo que tem a opção de pinça (dói, mas dura uns 15 dias) e a de raspagem. Foi um ótimo investimento!

A depilação a laser também é uma alternativa sustentável e, apesar de o investimento ser mais alto, ela realmente elimina os pelinhos 4ever (ou quase 4ever).

Sobre hastes flexíveis de plástico

O uso dos “cotonetes” é bem polêmico. No meu caso, acabou virando uma rotina e eu ainda não consegui me livrar deles. Porém, aqueles que possuem hastes de plásticos são extremamente poluentes, tão horríveis como os canudos de plástico.

Para quem não consegue viver sem cotonetes, como eu, já existem várias opções com hastes de papel, totalmente biodegradáveis e pelo mesmo preço dos convencionais.

Sobre cremes hidratantes

Eu confesso que nunca gostei de usar hidratantes corporais – sempre os achei melequentos, pesados e com cheiros muitos fortes ou enjoativos. Por vezes eu os comprava só por conta das embalagens bonitas e de todo o glamour que os envolvia – sim, falo dos famigerados cremes “Victoria’s Secrets”.

Quando passei a ler os ingredientes deles, fiquei mais assustada ainda. Olha só:

Composição: Vitamina A e C, água, propilenoglicol, óleo mineral, fragrância, extrato de glicerina, tretalanolina, ácido esteárico, óleo de amêndoa doce, óleo de lanolina, acetato de tocoferol, colágeno solúvel e elastina hidrolisada. (Fonte: Beleza e Saúde).

Aqui temos o propilenoglicol (propylene glycol), que é um agente condicionante com alto potencial alergênico e irritativo. Temos também o péssimo óleo mineral (mineral oil), que é uma mistura de hidrocarbonetos advindos do petróleo. Há grandes evidências de ser tóxico e detém alto potencial alergênico. Ademais, os óleos minerais são bioacumulativos e, assim, prejudicam bastante o meio ambiente. As fragrâncias sintéticas (fragrance) possuem uma das piores notas na EWG. Para pessoas alérgicas (como eu), elas são uma péssima ideia.

Infelizmente, há muitos componentes derivados de animais neste que parece ser apenas um hidratante inofensivo. Como exemplo, a glicerina animal (glycerin), a lalolina (lanolin), que é um componente derivado do sebo de ovelha, o colágeno solúvel (soluble collagen), que é não hidrolisado e provém dos tecidos de animais jovens e a elastina hidrolisada (hydrolyzed elastin), que também vem dos tecidos conjuntivos de animais.

Gente, os cuidados com a beleza não podem ser feitos às custas do sofrimento de milhares de animais. Não obstante, os componentes desse “hidratante” (e de tantos outros) fazem de tudo, menos nos hidratar propriamente – óleos minerais apenas mascaram o ressecamento da pele e o propilenoglicol a deixa mais ressacada, na verdade. Por isso, devemos utilizar, em nosso corpo, somente produtos naturais, de origem vegetal e que realmente nutrem e hidratam o nosso tecido cutâneo.

Sobre desodorantes

Cheguei um pouco atrasada para falar sobre os malefícios dos desodorantes tradicionais, tanto ao nosso corpo, como ao meio ambiente. Fico feliz que essa discussão já esteja em pauta há um bom tempo e que, desde então, muitas pessoas já deixaram de usar essas jurucengas no sovaquinho!

Foi em 2011 a primeira vez que resolvi testar uma receita caseira para acabar com o cecê. Era, simplesmente, passar umas gotinhas de limão nas axilas à noite, e lavá-las ao acordar. O limão possui substâncias cítricas que matam as bactérias causadoras do cheiro de “vencido”, mas, ao serem expostas aos raios UV, podem manchar e irritar a nossa pele, por isso o cuidado. O negócio era realmente mágico! Eu podia ficar umas 48h sem tomar banho que minhas roupas ainda teriam cheirinho de amaciante!

Quando divulguei essa proeza para o pessoal da faculdade, muitas pessoas riram e me acharam louca. É difícil mesmo nos desapegarmos dos cosméticos tradicionais, ainda que eles não cumpram com o que dizem – quem nunca ficou com cecê menos de algumas horas após passar um desodorante tradicional? Quem nunca teve várias e várias roupas machadas por conta deles? Eu lembro que minhas blusas de uniforme ficavam com uma crosta amarelada na área do sovaquinho, e isso era acúmulo de desodorante!

Existe uma diferença entre desodorantes e antitranspirantes. Segundo Maurício Pupo, para o site “Vila Mulher”[1], os desodorantes inibem o crescimento de bactérias, que são as responsáveis pelo mau-cheiro na região das axilas. Isso é feito por meio de substâncias antissépticas e bactericidas. Infelizmente, a mais utilizada é o triclosan, um composto perigosíssimo para a nossa saúde, já que pode causar disfunção endócrina, é bioacumulativo, tem alto potencial de irritação, é alergênico, pode suprimir a nossa imunidade, e é altamente contaminante para o meio ambiente.

Os antitranspirantes conseguem ser ainda piores, já que possuem uma grande quantidade de alumínio. É ele que fecha os nossos poros e, assim, impede que o suor saia nas axilas. Há diversos estudos[2] que apontam que o alumínio pode estar associado ao desenvolvimento de câncer de mama. Em um dos estudos, a substância foi encontrada no tecido mamário de pacientes com o câncer.

Além de todo esse horror, e em meio a tantas outras substâncias tóxicas (como parabenos, BHT, propilenoglicol…), as embalagens aerossol são extremamente prejudiciais ao meio ambiente. Não obstante, elas fazem com que as pessoas que as utilizam inalem os componentes cancerígenos presentes no produto.

As latas de aerossol não são nem lixo comum nem lixo reciclável comum. Elas devem ter uma atenção especial no momento do descarte. O ideal seria procurar cooperativas específicas que saibam como tratá-las, porém, na correria do dia a dia, ninguém faz isso. Assim, as empresas que fazem as vendas desses produtos deveriam, no mínimo, ter uma política de logística reversa, mas isso só existiria num mundo paralelo ideal. Por fim, por serem bem perigosas – sob temperaturas altas, elas podem explodir – tais embalagens não deveriam ter sido tão banalizadas.

Eu sei como o processo de migração para a cosmética natural pode ser difícil, mas meu conselho seria: compre o desodorante/antitranspirante tradicional “menos pior” – que tenha menos compostos tóxicos e venha em embalagens roll-on. Porém, se você quiser realmente viver melhor, aguarde que já já passarei uma receita bem eficaz de desodorante caseiro!

Sobre o protetor solar corporal

Bem, já escrevi bastante sobre os malefícios dos protetores solares, e encontrei boas soluções para proteger o rosto de forma segura e mais natural. Para o corpo, no entanto, eu segui por outros caminhos. Sei que não é recomendável fazermos o nosso próprio protetor, porque não temos como realizar testes laboratoriais que assegurem a proteção contra os raios UVA e UVB.

Mas eu fiz meu próprio protetor solar corporal e gostei muito dele! Eu o uso principalmente para proteger as minhas tatuagens. Paralelamente, tenho utilizado bastante as blusas UV. Elas são práticas (é muito chato ter que passar protetor no corpo sempre…), bonitas, protegem-nos de verdade e não fazem mal à natureza.

Sobre perfumes

Sempre relutei em aceitar a minha alergia a perfumes, porque eu era a doida dos Duty Frees e das Sephoras (na época da bonança rsrs) – conhecia quase todas as fragrâncias existentes, das mais clássicas aos lançamentos. Além disso, era esnobe e me recusava a usar perfumes que não fossem importados – e tinham que ser concentrados (Eau de parfum). Eu podia ficar espirrando o dia todo, mas o importante é que estivesse cheirosinha.

Comecei a repensar as minhas compras de perfumes, primeiramente, porque todas as marcas internacionais seguem com testes em animais. Passei a comprar perfumes nacionais mais suaves (eau de toilette ou mesmo colônias), mas, ainda assim, eu continuava a usar um produto que possuía fragrâncias sintéticas e alergênicas; e sem saber se realmente faziam ou não testes em animais ou utilizavam ou não produtos de origem animal em sua indústria.

Os perfumes tradicionais são altamente concentrados. Ainda que algumas notas sejam provenientes de óleos essenciais extraídos das próprias plantas (ou flores, ou folhas, ou madeiras…), muitas outras são imitações sintéticas; e ainda que fossem todas naturais, devido à alta concentração (o eau de parfum pode ter concentração de até 25%), elas também se tornam alergênicas.

Portanto, decidi testar algumas combinações entre meus óleos essenciais e criei algumas fragrâncias. A concentração será entre 1% a 3%, e descobri que estas se chamam “Eau fraîche” (uii). Ainda tenho dois perfumes d’O Boticário que deixarei para usar só em ocasiões bem especiais.

Sobre sabonetes convencionais

Desde que me tornei vegetariana, parei de usar sabonetes convencionais, já que as maiores holdings de produtos de higiene fazem testes em animais e usam componentes animais em suas formulações.

Até descobrir a cosmética natural, eu seguia feliz na ilusão de que sabonetes Granado e afins eram ótimos e, além disso, não utilizam ingredientes de origem animal em sua composição.

Contudo, tais sabonetes ainda possuem muitos ingredientes irritativos para a nossa pele, como o propilenoglicol, as fragrâncias e os corantes sintéticos, e os polêmicos sulfatos (surfactantes), como o lauril (sodium laureth sulfate, sodium lauryl sulfate), os quais também são muito tóxicos para o meio ambiente e para a vida marinha.

Sabonetes naturais são menos agressivos à nossa pele e cumprem bem o papel da limpeza. Eles são feitos por meio de uma base glicerinada vegetal ou a partir da saponificação de óleos vegetais. O problema é que não são encontrados em qualquer farmácia e são mais caros. Para que durem mais tempo, eu os divido ao meio e os coloco sobre um pedaço de bucha vegetal.

Temos que ficar atentas/os porque mesmo sabonetes artesanais podem ter lauril em sua composição. O segredo é sempre este: leia o rótulo de tudo que for colocar em seu corpo!

Sem mais delongas, vamos às receitas

Hidratante corporal

O hidratante corporal, assim como o desodorante, foi uma das primeiras receitas de cosméticos naturais que fiz. Ele hidrata e nutre bastante a pele! Inicialmente, pode parecer pegajoso, mas como os ativos são 100% naturais, a pele os absorve rapidamente.

A manteiga de karité é rica em vitamina A, em tocoferóis (antioxidantes) e em ácido cinâmico, o qual conforma uma proteção natural contra os raios UV. Ela é excelente para peles ressecadas e funciona como um ótimo emoliente. Também é ótima para curar queimaduras, eczemas e para prevenir estrias.

A manteiga de cacau, além de ser deliciosa na culinária, é outro potente hidratante, capaz de atingir as camadas mais profundas da pele e deixá-la mais suave e aveludada. Também é excelente para peles ressecadas e com rachadura.

O óleo de coco palmiste, chamado de manteiga vegana no mundo vegan, além de ser muito utilizado na culinária, é perfeito para os cosméticos. Rico em ácido láurico, é um potente hidratante, excelente carregador de óleos essenciais e ainda previne inflamações cutâneas. Por se solidificar a 23 graus celsius, ele contribui para deixar as receitas mais pastosas, o que facilita a aplicação.

O óleo de cenoura também confere uma proteção natural contra os raios UV, é anti-inflamatório, antioxidante e um excelente hidratante.

O óleo de germe de trigo é rico em vitaminas E, A e B, retarda o envelhecimento da pele e devolve elasticidade a ela.

O óleo de açaí é rico em ácidos graxos essenciais, flavonoides e fito esteróis, portanto, é um excelente antioxidante. Também contribui para a hidratação da pele, inclusive dos locais que mais ressecam, como os cotovelos e os joelhos.

O óleo de amêndoas doces é bem conhecido na cosmeteria natural. Por ser rico em vitaminas A, B, E, ácido fólico (B9) e arginina (um aminoácido polar básico), esse óleo tem uma alta capacidade hidratante e umectante, o que contribui para a retenção de água na pele e ajuda a mantê-la hidratada, macia, suave e com boa elasticidade.

O óleo essencial de sândalo é ótimo para peles ressacadas e com rachaduras, e ainda vem com um bônus: é afrodisíaco! O óleo essencial de benjoim tem efeito hidratante e regenerador da pele, e o óleo essencial de palmarosa equilibra a oleosidade natural, tanto da pele seca como a da oleosa.

A receita:

  • 1 colher de sopa de de manteiga de karité
  • 2 colheres de chá de manteiga de cacau
  • 1 colher de sopa de óleo de coco palmiste
  • 1 colher de chá de óleo de cenoura
  • 1 colher de chá de óleo de germe de trigo
  • 1 colher de chá de óleo de açaí
  • 1 colher de chá de amêndoas doce
  • óleo essenciais de sândalo (5 gotas), benjoim (5 gotas) e palmarosa (3 gotas).

Em um béquer ou recipiente de vidro (em banho maria), derreta a manteiga de cacau. Desligue o fogo e adicione as demais manteigas e os óleos vegetais. Quando a mistura esfriar, adicione os óleos essenciais. Guarde em um potinho de geleia esterilizado

Desodorante

Eu me inspirei na famosa receita da Crystal Muniz para fazer esse desodorante. Acrescentei algumas coisas, como a cera de carnaúba, para deixá-lo com mais consistência (aqui no Rio, no calor, tudo se derrete!). Ao invés de usar só a manteiga de karité, adicionei óleo de coco palmiste.

O amido de milho (que pode ser substituído por araruta) funciona como antitranspirante natural. É claro que, em dias quentes e após exercícios físicos, ainda há transpiração, mas isso é bom, pois é algo natural do nosso corpo.

O bicarbonato de sódio eleva o pH da pele, deixando-a mais alcalina, o que impede a proliferação das bactérias e dos fungos responsáveis pelo cheirinho de cecê.

O óleo essencial de tea tree é antibactericida, antifúngico e antisséptico, perfeito para ser usado nas receitas caseiras de desodorantes. O óleo essencial de lavanda acalma a pele e deixa o desodorante com um odor mais agradável.

A consistência dele ficou bacana, bem fácil de aplicar na pele. Até o Leo aderiu à moda! E ele dura bastante… Não posso prometer 48h (rsrs), mas ele consegue segurar o cheiro de vencido por umas boas horas!!

A receita:

  • ½ colher de sopa de manteiga de karité
  • 1 colher de sopa de óleo de coco palmiste
  • 1 colher de sopa de amido de milho
  • ½ colher de sopa de bicarbonato de sódio
  • ½ colher de chá de cera de carnaúba
  • óleos essenciais de tea tree (4 gotas) e lavanda (3 gotas).

Em um béquer ou recipiente de vidro (em banho maria), derreta a cera. Desligue o fogo e adicione a manteiga, o óleo vegetal, a maisena e o bicarbonato. Misture bem, para tudo ficar homogêneo. Quando a mistura esfriar, adicione os óleos essenciais. Guarde em um potinho esterilizado.

Sérum anticelulites

Esse sérum é ótimo para evitar o aparecimento das indesejáveis celulites. O óleo de andiroba é rico em Ômegas 6 e 9, amacia a pele e forma uma película protetora, o que auxilia no combate a estrias e celulites.

Os óleos essenciais de tangerina, bergamota e laranja doce são excelentes para o combate à celulite. Como são fotossensibilizantes, não podemos expor ao sol as áreas utilizadas por um período de até 6h. Dessa forma, o ideal é passar o sérum à noite e retirá-lo logo ao acordar.

A receita:

  • 5ml de óleo de andiroba
  • 5ml de óleo de germe de trigo
  • óleos essenciais de tangerina (1 gota), bergamota (1 gota) e laranja doce (1 gota).

Basta colocar todos os ingredientes em uma embalagem conta-gotas!

Sérum antiestrias

Foto: Uol

Esse sérum pode ser usado desde o início da gravidez, para evitar a formação de estrias.

O óleo de abacate é rico em vitaminas A D e E. Por ter uma alta penetração no tecido cutâneo e devolver a elasticidade à pele, é excelente para o combate de estrias. Também é um fotoprotetor natural.

O óleo de Argan também é rico em vitaminas A, D e E e tem alto poder de hidratação e de regeneração celular.

Os óleos essenciais de tangerina e de limão são excelentes para o combate às estrias. Como são fotossensibilizantes, não podemos expor ao sol as áreas utilizadas por um período de até 6h. Dessa forma, o ideal é passar o sérum à noite e retirá-lo logo ao acordar.

A receita:

  • 5ml de óleo de abacate
  • 5ml de óleo de Argan
  • óleos essenciais de tangerina (2 gotas) e limão siciliano (1 gota).

Basta colocar todos os ingredientes em uma embalagem conta-gotas!

Sérum antifoliculite (furúnculo)

Eu tenho probleminhas com foliculite (que é diferente de acne, que também é diferente de furúnculo – este é uma forma mais grave da foliculite) desde os 11 anos. Já passei de tudo, mas vira e mexe elas reaparecem, e em lugares não tão agradáveis. Esse sérum está me ajudando bastante, porque além de cicatrizá-las bem mais rápido, ele previne o surgimento de novas inflamações e atua contra as manchas. Também é importante lavar a região acometida com sabonetes antissépticos naturais.

O óleo de copaíba é um poderoso anti-inflamatório, germicida e cicatrizante, e ajuda a combater a oleosidade da pele. O óleo de açaí também possui ação cicatrizante.

O óleo de rosa mosqueta é ótimo para a cicatrização e a regeneração cutânea, e auxilia a mitigar as manchas.

O óleo essencial de sálvia é ótimo para atenuar a produção excessiva de sebo, caspa, acne e furúnculos. O óleo essencial de cipreste é um ótimo adstringente e cicatrizante.

A receita:

  • 5ml de óleo de copaíba
  • 2,5ml de óleo de rosa mosqueta
  • 2,5ml de óleo de açaí
  • óleos essenciais de tea tree (2 gotas), sálvia (1 gota) e cipreste (1 gota).

Basta colocar todos os ingredientes em uma embalagem conta-gotas!

Loção pós sol

Essa loção acalma a pele que foi exposta exageradamente ao sol.

O gel de aloe vera é um produto natural multiuso, maravilhoso para pele e cabelos. Tem propriedades hidratantes, emolientes, suavizantes, calmantes, umectantes, anti-irritantes e cicatrizantes.

O hidrolato de lavanda tem propriedades hidratantes, revitalizantes, regenerativas e calmantes para a pele.

O extrato de algas marinhas contém os princípios ativos das algas, e é ótimo emoliente e dermoprotetor.

O D-Pantenol (pró vitamina B5) é um ótimo regenerador cutâneo, e deixa a pele mais suave e elástica.

A proteína hidrolisada do trigo contém os aminoácidos e os oligossacarídeos do trigo. Para a pele, melhora a sua elasticidade e contribui para a sua hidratação e a sua nutrição.

O óleo essencial de patchuli é ótimo para atenuar queimaduras e o ressecamento da pele.

A receita:

  • 20ml de gel de aloe vera
  • 10ml de hidrolato lavanda
  • 1,25ml de extrato glicerinado de algas marinhas
  • 2 gotas de d-pantenol
  • 1,25ml de proteína hidrolisada do trigo
  • óleos essenciais de palmarosa (3 gotas) e patchouli (3 gotas).

Basta adicionar todos os ingredientes em recipiente âmbar spray. Agite antes de usar!

Loção pós depilação (e pós barba)

Eu sempre passava água termal após me depilar, para acalmar a pele e evitar qualquer irritação. Mas essa loção natural também é maravilhosa! E pode ser usada como pós-barba.

Os ingredientes são bem parecidos com os da loção pós sol. Acrescentei o extrato de Hamamelis, que tem ação adstringente e vasoprotetora.

A receita:

  • 20ml de gel de aloe vera
  • 7,5ml de hidrolato lavanda
  • 1,25ml de extrato glicerinado de algas marinhas
  • 1,25ml de extrato glicerinado de Hamamelis
  • 2 gotas de d-pantenol
  • 1,25ml de proteína hidrolisada do trigo
  • óleos essenciais de lavanda (3 gotas) e patchouli (3 gotas).

Basta adicionar todos os ingredientes em recipiente âmbar spray. Agite antes de usar!

Repelente de insetos

Foto: Pense Natural

Repelentes convencionais possuem substâncias que podem ser tóxicas não só para as muriçocas, como para o nosso corpo. Entre elas, o DEET (Diethyl Toluamide), muito utilizado nas principais marcas brasileiras, pode causar alergias e irritação. Conservantes parabenos e fragrâncias sintéticas também estão presentes.

Porém, nem tudo está perdido: o repelente natural funciona mesmo e é bem simples fazê-lo.

O óleo de neem é um repelente natural, tem propriedades antioxidantes e hidratantes para a pele.  Os demais óleos contribuem para a hidratação da pele.

Os óleos essenciais de citronela, eucalipto e capim-limão também são ótimos repelentes naturais. Os cheirinhos são muito agradáveis para nós – mas não agrada os borrachudos! Com diluição a 1 e ½%, essa receita é eficaz e não tem potencial alergênico! Lembro que ela é bifásica; portanto, deve-se agitar o frasco antes de usá-la!

A receita:

  • 10ml de álcool de cereais
  • 7,5ml de óleo de neem
  • 5ml de óleo de amêndoas doces
  • 5 ml óleo de germe de trigo
  • 2,5ml óleo de cenoura
  • óleos essenciais de citronela (4 gotas), capim limão (4 gotas), e eucalipto (2 gotas).

Coloque todos os ingredientes em um frasco âmbar spray!

Cicatrizante para tatuagem

Antes de fazer a minha tatuagem mais recente, tive receio em elaborar meu próprio creme cicatrizante. Pesquisei marcas veganas e encontrei algumas ótimas, como a Mboah. Já no estúdio, perguntei à tatuadora se o uso de produtos naturais seria liberado como cicatrizante, e ela me respondeu que, não só são liberados, como recomendados!

Já escrevi sobre os componentes vegetais nas receitas acima!

O óleo de olíbano é um poderoso cicatrizante e anti-inflamatório. Ajuda na cicatrização e evita a formação de queloides. O óleo de tomilho também auxilia a cicatrização de feridas (e tatuagem é uma ferida que a gente escolhe ter rsrs).

A receita:

  • 1 colher de sopa de manteiga de karité
  • ½ colher de sopa de óleo de coco palmiste
  • 1colher de chá de óleo de copaíba
  • 1 colher de chá de óleo de açaí
  • óleos essenciais de olíbano (3 gotas), patchuli (2 gotas) e tomilho (1 gota).

Misture a manteiga (não precisa derreter), os óleos vegetais e os essenciais e guarde-a em um potinho de vidro.

Protetor solar corporal

Resolvi fazer esse protetor solar mais líquido, para utilizá-lo como spray – acho mais fácil de espalhar!

É mister ressaltar que o óxido de zinco deve ser em não nanopartículas. Para fazer essa receita, é imprescindível o uso de máscaras, até que o óxido seja completamente incorporado aos óleos vegetais.

Escolhi os óleos seguintes por serem fotoprotetores naturais. Sei que existe muita controversa sobre usar ou não óleos vegetais como protetores. Sei que o ideal seria realizar testes em laboratório para saber o verdadeiro FPS do produto. Porém, acredito que mais pesquisas serão feitas e deixaremos de ser tão dependentes dos protetores corporais industrializados.

Da mesma forma, para que possamos sintetizar a Vitamina D, é importante pegarmos sol por alguns minutos (o tempo depende da cor da pele de cada pessoa) sem protetor solar. E sempre podemos recorrer às blusas UV, como uma alternativa prática, sustentável e elegante! Nesse meio tempo, para o detox de produtos altamente tóxicos presentes nos protetores convencionais, por que não utilizar o protetor solar natureba?!

A receita:

  • 15ml Óleo de cenoura
  • 5ml de Óleo de café verde
  • 5ml de óleo de coco extravirgem
  • 5ml Óleo de buriti
  • 1,5g Oxido de zinco (existe em todos os protetores físicos)

Antes de tudo, coloque a máscara no rosto – tape nariz e boca. Incorpore o oxido de zinco aos óleos vegetais. Depois é só colocar a mistura em um frasco âmbar spray.

Outra forma de fazer essa receita seria acrescentar manteiga de karité e cera de carnaúba – ficaria com a consistência de um hidratante, e a cera ajudaria a manter o produto por mais tempo na pele. Um dia vou fazê-la e venho atualizar por aqui!

Perfume

É até bem simples fazer um perfume caseiro. Vou utilizar a base da Flora Fiora, que contém água deionizada, álcool de cereais e glicerina vegetal. Você pode combinar os óleos essenciais e fazer fragrâncias únicas. Temos apenas que ter cuidado com os óleos essenciais cítricos e a exposição solar. Farei a diluição em 3%.

Dicas: deixe o perfume na geladeira por um tempo, para que os cheiros dos óleos essenciais se fixem na base alcoólica. Espere um tempinho para abri-lo e para começar a utilizá-lo, pois quanto mais tempo fechado, mais forte ficará o cheirinho na sua pele.

Aromas que saí inventando:

Regina – amadeirado/especiaria

Nota de fundo: sândalo; nota de coração: ylang ylang; notas de saída: tangerina e bergamota

Amour – cítrico

Notas de fundo: sândalo e petitgrain; nota de coração: limão siciliano; nota de saída: laranja doce.

Crazy odds – especiarias

Nota de fundo: patchuli; nota de coração: ylang ylang; notas de saída: bergamota e tomilho.

Chérie – floral

Nota de fundo: cedro de atlas; nota de coração: gerânio; nota de saída: ylang ylang lavanda.

Até a próxima!!

Consultas

Livro: Curso completo de Aromaterapia, de Joanna Hoare.

https://www.ecycle.com.br/161-latas-de-aerossol

https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/furunculo/40/#:~:text=e%20outra%20profunda.-,O%20fur%C3%BAnculo%20%C3%A9%20uma%20forma%20de%20foliculite%20profunda%2C%20acometendo%20n%C3%A3o,uma%20pequena%20espinha%20com%20pus.

https://www.tuasaude.com/como-tirar-estrias/

https://www.useorganico.com.br/hidratante-natural-com-protecao-solar-palm-natural/p


[1] Disponível em: https://vilamulher.com.br/bem-estar/saude/cuidado-com-o-desodorante-11-1-60-405.html. Acesso em 18.11.2020

[2] Caroline Linhart, Nicole Concin, Michael Hubalek, Daniel Egle, Susanne Taucher, Herbert H Lindner, Christopher Exley, Evi M. Morandi, Heribert Talasz & Hanno Ulmer. 2017. Use of Underarm Cosmetic Products in Relation to Risk of Breast Cancer: A Case-Control Study. EBioMedicine 21, 79-85.

Stefano J Mandriota, Mirna Tenan, Paolo Ferrari & André-Pascal Sappino. 2016. Aluminium chloride promotes tumorigenesis and metastasis in normal murine mammary gland epithelial cells. International journal of cancer 139(12), 2781-2790.

Dana K Mirick, Scott Davis & David B. Thomas. 2002. Antiperspirant use and the risk of breast cancer. Journal of the National Cancer Institute 94(20), 1578-80. (EWG – acesso em 18.11.2020)